Pokemon Go e educação: é possível utilizar?

Luísa França ago 23, 2016

Pokemon Go e educação: é possível utilizar?

Recentemente, uma onda invadiu as escolas de todo o Brasil. O Pokemon Go na escola já é uma febre entre os jovens e promete permanecer por um bom tempo.

Fizemos um texto em nosso blog dando dicas de como lidar com essa nova febre (confira clicando aqui).

Dessa vez, entrevistamos o Professor Bruno Bragança, do Centro Educacional Agostiniano, de Vitória/ES, que compartilhou conosco sua experiência ao utilizar o jogo para estimular os alunos e melhorar o processo de ensino e aprendizagem.

Pokemon-Go-e-Educação

Na entrevista, perguntamos ao professor sobre o uso de tecnologia na educação e se é possível aliar o jogo Pokemon Go e educação. Confira!

De onde veio a ideia de utilizar o Pokemon Go em uma de suas aulas?

No dia seguinte ao App ser lançado eu percebi uma movimentação fora do normal na escola. Os alunos estavam todos vidrados no jogo e eu comecei a me questionar o motivo daquele jogo trazer mais interesse aos alunos do que a própria sala de aula. A partir disso decidi, ao contrário de muitos educadores, me aliar ao jogo para que os alunos pudessem sentir tanto prazer em uma aula de História como tinham com o aplicativo.

Pokemon Go e Educação: Prof Bruno e seus alunos

Prof. Bruno Bragança e seus alunos. Fonte: Prof. Bruno

Como foi feita a preparação da aula?

Um grande facilitador da preparação da aula sem dúvida foi o fato de que, assim como os alunos, eu também passei a jogar Pokemon Go para entender melhor todo esse universo do game. Com isso pude perceber que os pontos de coletas de brindes (Pokéstops) são todas vinculadas a grafites, igrejas e monumentos históricos.

Fui até o Centro Histórico de Vitória-ES e tracei um roteiro de visita a monumentos importantíssimos da história da colonização do Brasil (como por exemplo a Capela Stª Luzia, datada do século XVI), sendo todos eles vinculados às Pokéstops do game. Após coletar tais informações preparei um Plano de Aula e apresentei à coordenação pedagógica do Colégio Agostiniano, que imediatamente comprou a ideia.

Pokemon Go e Educação: Capela de Santa Luzia

Capela de Santa Luzia, Vitória/ES

Como foi a execução da aula? Correu tudo bem?

A turma escolhida para essa aula de campo auxiliada pelo game PokémonGO foi o 2º ano do Ensino Médio e contei com o apoio de dois coordenadores da escola para nos acompanhar no trajeto de cerca de 2,5km entre os monumentos visitados, para executarmos todo o plano com êxito.

Todos os alunos tinham a liberdade de levar seus smartphones para a aula de campo e irem capturando pokémons por todo o trajeto, inclusive eu estava com meu celular em mãos com o aplicativo aberto para me localizar e identificar qual seria o próximo monumento a visitar. Assim que chegávamos ao monumento histórico vinculado a uma Pokéstop era dada uma pausa nas capturas e iniciava minha fala explicando a importância da preservação do patrimônio histórico e o valor que aquele monumento tinha para a história de nosso Estado e do país.

Qual foi a reação dos alunos?

A aula foi extremamente surpreendente diante do comportamento positivo dos alunos que souberam, em todo percurso de cerca de 1h40, o momento certo de jogar PokémonGo e o momento de parar e dar atenção às explicações. Ao final todos elogiaram muito a iniciativa e desabafaram dizendo que tinha sido muito mais fácil assimilar a matéria daquela maneira, pois era muito cansativo permanecer seis horas sentados em sala de aula copiando do quadro.

Como você avalia os resultados do ponto de vista pedagógico?

Tenho certeza de que os objetivos pedagógicos da ação foram alcançados, considerando que os alunos agora demonstram mais interesse pela matéria de História e reconhecem o valor dos monumentos históricos para a preservação de nossa memória.

O que você pensa do uso da tecnologia como aliada no processo educacional?

É essencial que a escola se modernize, assim como nossos alunos. A estrutura escolar vigente é a mesma de 50 anos atrás, mas o mundo passou por um processo de modernização. É compreensível que o aluno não tenha o mínimo interesse em ir para a escola quando esta acaba por ignorar todo avanço tecnológico dos últimos anos, impondo uma prática pedagógica baseada em carteiras enfileiradas com um quadro negro.

Felizmente eu não enfrento esse tipo de resistência por parte da direção do Colégio Agostiniano, pois até a senha o WIFI é liberada para os alunos, que reconhecem os limites dessa liberdade.

Prof. Bruno Bragança
Professor de História – Ensino Fundamental e Médio
email: brunobraganca22@hotmail.com

Gostou? Confira também nosso ebook sobre como utilizar o celular como aliado no processo pedagógico! Faça o download gratuito clicando abaixo:

Pokemon Go e Educação: Celular como aliado no processo pedagógico

Cometários

Comentários

[87763]
[87763]
[87763]
[87763]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d