Tecnologia na educação: Como garantir mais motivação em sala de aula?

Luísa França fev 25, 2016

Tecnologia na educação: Como garantir mais motivação em sala de aula?

Fazer uso da tecnologia na educação já é uma necessidade inadiável, reconhecida por todo profissional do ensino que anda atualizado com as últimas tendências na área. Dito isso, no entanto, é preciso se dar conta de que a forma com que esse recurso deve ser empregado em sala de aula nem sempre é clara.

Simplesmente usar ferramentas tecnológicas na escola, como fim em si mesmas, não é bem o objetivo, concorda? Sendo assim, vale a pena pesquisar e experimentar para descobrir de que maneiras a tecnologia pode ser empregada para melhorar efetivamente o aprendizado dos alunos e o dia a dia dos professores.

Pensando nessa questão, elaboramos a seguir um guia completo sobre tecnologia no ensino, mostrando formas de utilizá-la da maneira mais produtiva, além de como lidar com seus principais problemas e introduzi-la adequadamente na instituição de ensino. Continue lendo e fique por dentro!

1. Introduzindo a tecnologia na escola

Se a intenção é que o emprego da tecnologia na educação não seja um fim em si mesmo, isto é, que os recursos sejam usados para trazer melhorias efetivas para a escola, será preciso realizar algumas mudanças na dinâmica das aulas.

Nesse caso, é interessante preparar a introdução da novidade de maneira diferente para cada um dos grupos a serem afetados por ela, a saber:

1.1. Corpo docente e funcionários

Contar com o apoio de professores e outros colaboradores no processo de adotar a tecnologia na escola é fundamental, afinal, são eles que irão lidar diretamente com a questão, por isso, quanto mais a favor da mudança estiverem, melhor.

Além de motivar o uso da tecnologia entre esses profissionais, é preciso ainda ajudá-los a empregá-la da melhor maneira possível, oferecendo treinamentos, aulas de informática e até funcionários auxiliares para deixá-los mais seguros com o uso dos novos recursos.

Acompanhar a relação de cada um com as tecnologias adotadas a fim de diagnosticar problemas, receber feedbacks e promover uma melhoria constante também é essencial.

1.2. Pais e responsáveis

O envolvimento dos pais na educação de seus filhos é de grande importância para o sucesso dos estudantes. Diante disso, promover a participação dos familiares nas mudanças a serem implementadas para a adoção da tecnologia em sala de aula é outro passo fundamental.

Por meio de reuniões, notificações e uma comunicação aberta entre os pais e a escola, é possível que eles contribuam para a introdução da tecnologia, aumentem o engajamento dos filhos, ofereçam feedbacks enriquecedores e, mais importante, compreendam e apoiem a iniciativa.

1.3. Alunos

Com a geração Z nascida e criada em um mundo dominado pela tecnologia, é difícil imaginar que possa haver qualquer tipo de resistência por parte dos alunos na implementação da tecnologia em sua educação.

Ainda assim, é preciso cuidar de sua preparação para receber a novidade justamente para que a familiaridade com os recursos digitais não os leve para longe do aprendizado, restringindo seu uso da tecnologia ao entretenimento ou a atividades que poderiam ser feitas fora da sala de aula.

Os motivos por trás da introdução das ferramentas tecnológicas, bem como os objetivos de cada uma delas, devem ser conhecidos pelos alunos, e a atitude esperada deles em relação a isso deve ser sempre clara e relembrada quando necessário.


Leia também: Tecnologia na sala de aula – 6 novidades que já estão nas escolas


2. Entendendo as demandas de seus alunos

Outro ponto importante para a escola que deseja realmente aproveitar os benefícios que a tecnologia pode oferecer no lugar de simplesmente adicioná-la à gama de recursos disponíveis nas salas de aula é pesquisar e entender as principais demandas dos alunos.

Dessa maneira, é possível empregar justamente os recursos de que eles precisam para melhorar seu desempenho, além de garantir que a medida fará efeito em sua motivação e engajamento.

Para tal, é interessante procurar saber:

» que tipos de aparelhos tecnológicos os alunos mais usam fora da sala de aula;

» quais são os programas e aplicativos mais usados por eles, tanto para atividades relacionadas à escola quanto para seu próprio entretenimento;

» qual é a familiaridade de cada um com os diferentes tipos de recursos disponíveis no mercado;

» de que tipo de informação ou conhecimento do uso da tecnologia os alunos mais podem precisar em suas futuras vidas profissionais;

» e o que eles gostariam de aprender ou dominar quando o assunto é tecnologia.

A partir daí, os gestores da escola podem entender quais ferramentas e recursos terão mais utilidade e aceitação em sala de aula (tablets, e-readers, smartphones), além de poderem criar atividades específicas relacionadas à tecnologia, como oficinas de edição de vídeo, aulas de informática, programação básica, etc.


Assista o bate-papo online: Estratégias para aumentar o engajamento dos alunos


3. Como mapear os principais problemas em sala de aula?

Para usar a tecnologia com o objetivo de sanar problemas em sala de aula, deve-se, em primeiro lugar, localizar esses problemas, certo? Dessa forma, as chances de que as mudanças surtam efeitos positivos são muito maiores.

Realizado tanto antes quanto após a implementação da tecnologia, o mapeamento das dificuldades — dos alunos e dos professores — é crucial para a melhoria constante do ensino, e pode ocorrer da seguinte maneira:

3.1. Antes da implementação

Além da pesquisa realizada entre os alunos para entender suas principais demandas, vale pedir ainda a professores e colaboradores que observem, em sala de aula, quais são as principais dificuldades no dia a dia — da falta de motivação dos estudantes à escassez de oportunidades e conhecimento para adotar novas práticas de ensino, por exemplo.

A partir desse levantamento, podem-se estudar os recursos disponíveis para escolher aqueles que melhor atendem a essas demandas e traçar um plano de melhoria em longo prazo.

3.2. Após a implementação

Nas primeiras semanas após a adoção da tecnologia em sala de aula, deve-se acompanhar a adaptação de professores e alunos para sanar possíveis resistências e dificuldades iniciais.

Depois disso, o monitoramento deve continuar não apenas para prevenir problemas e garantir que as ferramentas continuem a ser usadas da forma correta como, também, para analisar os resultados obtidos a fim de continuar avançando.

Vale lembrar que, após a implementação, é possível que problemas que passaram desapercebidos antes dela se revelem — como, por exemplo, dificuldades de alunos específicos com o uso da tecnologia —, devendo ser então estudados e devidamente sanados.

4. A importância da atualização do profissional com as últimas tendências em educação

Na era da comunicação, a formação continuada é exigência em praticamente qualquer área. Entretanto, mesmo antes da revolução trazida pela informática, a atualização constante dos profissionais da educação já era um requisito para seu sucesso. Afinal, ensinar requer, antes de tudo, aprender, e, para isso, o professor precisa estar a par das descobertas e tendências mais atuais da disciplina que ensina.

Ademais, a própria forma de ensinar vem passando por transformações aceleradas nos últimos anos, com o surgimento da chamada educação 3.0, por exemplo. Nesse contexto, manter-se informado acerca das inovações em pedagogia é imprescindível para que o profissional do ensino continue realizando seu trabalho com qualidade.

Ao se familiarizarem com as tendências relacionadas à tecnologia na educação, os professores entrarão em contato com novas formas de ensinar e poderão desenvolver — caso ainda não o tenham — o hábito de continuar atualizando-se para descobrir outros usos das ferramentas disponibilizadas, novos programas e aplicativos de ensino, e por aí vai.

Com isso, ganha-se flexibilidade, aumentando a capacidade dos profissionais de se adaptarem a mudanças e aprenderem a lidar com novidades na escola.

À medida que se acostuma a usar as novas ferramentas, o professor poderá ainda melhorar sua gestão de tempo dentro e fora da sala de aula, assim como estreitar seu relacionamento com os alunos por meio da interação dos aparelhos eletrônicos, tão presentes no dia a dia deles.

A atualização impulsionada pela adoção da tecnologia, portanto, permitirá ao profissional da educação não apenas manter-se em dia com o que há de mais recente em sua área, como também trará benefícios diversos para a sua rotina, sua relação com os estudantes e o funcionamento da própria escola.


Leia também o e-book: Atualizando a sala de aula – como a tecnologia pode ajudar no ensino

APP028.27 - Atualizando a sala de aula-07


5. Moderando o uso da tecnologia

Usar a tecnologia em sala de aula visa a aproveitar todas as vantagens que ela pode trazer para professores, pais e alunos, correto? Não se trata, assim, de ignorar as dificuldades que já existem (ou que possam eventualmente surgir no processo), muito menos de criar uma relação de dependência com as ferramentas tecnológicas.

Felizmente, é a própria adoção da tecnologia que permitirá à escola moderar seu uso pelos alunos com muito mais eficácia.

Ao ensinar como e quando esse recurso deve ser usado, além de controlar os momentos em que eles serão empregados em sala, o professor pode direcionar a capacidade dos estudantes de usar os aparelhos eletrônicos em seu próprio benefício, reduzindo seu uso inadequado e aumentando sua habilidade de lidar corretamente eles.

Com a aplicação consciente da tecnologia na escola, é possível, por exemplo:

» combater o cyberbullying e outras formas de preconceito;

» reduzir a distração causada pelos smartphones e aparelhos mobile;

» equilibrar o tempo que os estudantes dedicam aos jogos eletrônicos, aos estudos e à prática de atividades físicas;

» e promover a pesquisa em fontes on e off-line confiáveis, aumentando o senso crítico dos alunos.

O ensino híbrido, que combina a educação tradicional e o uso da tecnologia para conquistar a personalização do ensino, também pode ajudar a conciliar a utilização de ferramentas digitais e a atenção a aulas presenciais, assim como o uso de livros físicos, por exemplo.

Qualquer que seja a metodologia adotada pela escola, é importante que, durante a transição pela qual ela passará para implementar o uso da tecnologia, haja processos claros entre os profissionais e os alunos, bem como o diálogo constante para lidar com obstáculos e dificuldades.

Aos poucos, com horários e expectativas bem definidas em relação à utilização das novas ferramentas, será possível educar docentes e discentes para que todos se beneficiem e aprendam a usar a tecnologia a seu favor, sem se tornarem dependentes dela.

6. Estimulando a leitura em sala de aula com ajuda da tecnologia

O desinteresse pela leitura é um problema recorrente nas escolas hoje em dia, principalmente entre os jovens da geração Z. De fato, algumas pessoas chegam a associar essa questão à afinidade dos alunos com a tecnologia, entretanto, na realidade é possível, sim, usar o universo digital para incentivar o hábito de ler. Veja como:

6.1. Aproveite os livros em diferentes formatos

Poder ler em tablets, smartphones e até e-readers, além de ser bastante prático, é uma excelente maneira de motivar os jovens que não se desgrudam das telinhas a descobrir o mundo da leitura. Alguns aplicativos contam com opção de consulta a dicionários dentro dos próprios livros digitais, e há também bibliotecas que fazem empréstimos de e-books.

Confira você também nossos e-books gratuitos!

Outra ideia para desenvolver o gosto pela literatura usando a tecnologia é por meio dos audiolivros, que também contribuem para que alunos com diferentes perfis de aprendizado possam desfrutar igualmente dos livros trabalhados em sala.

6.2. Transforme a leitura em uma experiência multimídia

Um excelente exemplo de como a leitura pode ser interativa e multimídia é a série de webcomics (quadrinhos para a web) Homestuck, publicada no site MS Paint Adventures entre 2009 e abril de 2016.

Composta por uma combinação de texto, imagens estáticas e animadas, jogos em Flash e vídeos que somam mais de 8 mil páginas e 800 mil palavras, a série pode ser “lida” no original, em inglês, ou em português.

Inspirando-se nessa ideia, professores podem também aproveitar a tecnologia para tornar a experiência de leitura mais interessante e enriquecedora ao assistir a filmes, reviews em vídeo, entrevistas com o autor e outros documentos on-line, realizar pesquisas diversas, ler e compor fan fics (ficções escritas por fãs de séries de livros infanto-juvenis populares, como Game of Thrones ou Harry Potter), etc. Basta usar a criatividade!


Leia também o e-book: Motivando os alunos com a cultura pop


6.3. Apresente os alunos a boas fontes on-line

A internet, sem sombra de dúvida, contém um número assustador de informações incorretas, textos mal-escritos, reportagens tendenciosas e outras mídias que podem acabar prejudicando os alunos com senso crítico em desenvolvimento.

Entretanto, é inegável que, em meio a tudo isso, há também uma infinidade de fontes interessantíssimas, que podem contribuir para enriquecer as pesquisas dos estudantes e apresentar-lhes pontos de vista únicos e completos.

Antes de condenar as pesquisas on-line, portanto, é muito produtivo que o professor procure conhecer os sites mais confiáveis para repassá-los aos alunos, ajudando-os a reconhecer, sozinhos, os sinais de que um texto é relevante e verídico.

Alguns bons exemplos são:

» páginas de universidades, em que os estudantes podem encontrar artigos acadêmicos sobre diversos assuntos;

» o site Domínio Público, no qual se encontra uma variedade enorme de e-books gratuitos em português;

» revistas digitais gratuitas financiadas pelas universidades e órgãos de fomento à pesquisa (como aquelas disponíveis no Portal de periódicos da Capes);

» e o Project Gutemberg, site com e-books gratuitos em diversas línguas;

7. 4 usos para dispositivos e programas inovadores na escola e na sala de aula

Depois de entender melhor os benefícios do uso da tecnologia em sala de aula, é hora de conferir algumas ideias práticas para aproveitar programas e ideias inovadoras na sua escola. Acompanhe:

7.1. Google Cardboard

O Google Cardboard é um apetrecho que permite transformar qualquer smartphone em óculos de realidade virtual. Podendo ser feito de papelão a materiais mais sofisticados, o Cardboard pode ser confeccionado pelos alunos como parte de um projeto de atividades manuais e depois ser usado nas outras disciplinas como forma de interação multimídia com o conteúdo.

Com a ferramenta e o aplicativo da Google, é possível assistir a vídeos em 360°, visitar espaços históricos no Google Earth e até jogar games imersivos, por exemplo.

7.2. Wikipédia

Apesar de não equivaler a uma enciclopédia física e conter, como muitas fontes de informações na web, artigos com erros e problemas diversos, a Wikipédia também pode ser uma excelente ferramenta de aprendizado, desde que utilizada corretamente.

É aí que entra o papel do professor: no lugar de proibir ou condenar o uso do site — que, convenhamos, dificilmente deixará de ser consultado pelos estudantes —, o ideal é que o professor ensine-os a usá-lo da maneira mais proveitosa possível.

Para isso, algumas recomendações interessantes são:

» observar as referências ao final de cada artigo, bem como as notas referenciais ao longo do texto;

» comparar o mesmo artigo em diferentes idiomas (em português e inglês, por exemplo) para verificar se há disparidades e, ainda, ganhar vocabulário na língua estrangeira;

» e dar preferência aos artigos destacados pelo próprio site e evitar aqueles indicados como incompletos.

Embora não deva ser usada como fonte única para a realização das pesquisas, a Wikipédia pode ser um excelente recurso para solucionar dúvidas rápidas, como a biografia de um personagem histórico, datas de acontecimentos importantes ou dados como a ordem dos planetas no Sistema Solar, etc.

7.3. Khan Academy

Criada por uma empresa sem fins lucrativos, a Khan Academy é uma plataforma on-line com videoaulas gratuitas sobre dezenas de assuntos diferentes, de Matemática a Empreendedorismo e Animação digital.

Por meio do site, os alunos podem aprender mais sobre as matérias da própria escola, além de se dedicarem a conteúdos de interesse pessoal ou habilidades extracurriculares. Há também ferramentas gratuitas para que pais e professores acompanhem o desenvolvimento dos estudantes e saibam o que eles estão aprendendo.

Na escola, a plataforma pode se tornar uma maneira de motivar o aprendizado ao criar um espaço em que o aluno estudará uma disciplina por hobby, por exemplo, ou mesmo enriquecer o ensino das matérias normais por meio dos vídeos.

7.4. Pokemon Go

O game que explodiu em pouquíssimo tempo, Pokemon Go é um aplicativo que usa a tecnologia de realidade aumentada — misturando elementos virtuais com o mundo real — para que os jogadores possam capturar Pokemons (“monstros digitais” que fazem sucesso desde o início dos anos 2000) dependendo de sua localização no GPS.

A ideia de utilizar o app na escola é aproveitar o entusiasmo dos alunos pelo jogo para motivá-los a aprender, tirando benefício de seus pontos positivos (como interação social e estímulo à prática de atividades ao ar livre) e chamando a atenção para possíveis pontos negativos (distração ao caminhar pela cidade e uso em excesso).

Se quiser saber mais, não deixe de ler também nossos outros dois textos sobre o assunto:

Pokemon Go na Escola: saiba como lidar com essa febre

Pokemon Go e educação: é possível utilizar?

8. Usando a tecnologia também para a avaliação do aluno

Finalmente, é interessante ficar por dentro das maneiras que a tecnologia pode ser usada para avaliar os estudantes, otimizando o tempo do professor, potencializando o diagnóstico de dificuldades e, consequentemente, melhorando o desempenho e motivação dos alunos.


Leia também o ebook: Como fazer o diagnóstico das dificuldades e a avaliação contínua

Tecnologia na Educação: diagnóstico dos alunos


Mesmo que não substituam por completo outros tipos de avaliação — visto que a variedade nos métodos avaliativos é, aliás, o mais recomendado para cobrir os diferentes perfis de aprendizado —, as provas digitais podem ser corrigidas por computador e ainda fornecem automaticamente dados sobre o desempenho dos estudantes para análise e comparação pelos gestores.

Plataformas como o AppProva, por exemplo, contribuem para aumentar o engajamento dos alunos por meio da gamificação e do uso dos celulares em sala de aula, funcionam como treinamento para provas como o ENEM, e permitem que a avaliação dos alunos seja realizada no próprio app, com envio imediato dos resultados aos professores e geração de gráficos para acompanhar seu desenvolvimento.

Outros tipos de avaliação que fazem uso da tecnologia são os trabalhos que envolvem a produção de vídeos, apresentações de slides, animações e demais mídias digitais, assim como participação em jogos educativos, fóruns on-line, aulas virtuais e muito mais.

Além de diversificar o tipo de avaliação oferecido pela escola, deixar que os alunos usem a tecnologia para mostrar o que aprenderam enriquece sua experiência e aumenta sua segurança e entusiasmo com os estudos.

Conclusão

Apostar no uso de ferramentas tecnológicas no ensino já é requisito para as escolas que desejam se destacar pela inovação e atualização com as mais modernas tendências pedagógicas.

Ainda assim, para que a tecnologia não se torne um fim em si mesma, é preciso estudar as melhores formas de empregá-la a fim de trazer benefícios para professores e alunos, aumentando a motivação de ambos em sala de aula.

Compartilhe conosco, nos comentários, a sua opinião sobre o assunto, bem como sua experiência com a tecnologia na educação!

Gostaria de saber mais sobre tecnologia na educação e como utilizá-la em sua escola? Converse com um de nossos especialistas e veja como podemos te ajudar!

Cometários

Comentários

[87763]
[87763]
[87763]
[87763]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d